• Vítor Silva Rios

Entrevista com Catherine BB Bowness



"Descobri que não importa o quanto eu tente soar como alguém que admiro, sempre vai sair um pouco como eu."

Nascida na Nova Zelândia, Catherine BB Bowness é um ótimo exemplo de como o banjo é um instrumento que tem o potencial de ultrapassar as barreiras de sua própria origem e ir para além das terras norte americanas. E não é só isso, ela nos mostra que é possível tocar banjo e bluegrass (do tradicional ao contemporâneo) com excelência independente do seu país. Estabelecida nos EUA há alguns anos, integra a banda de bluegrass progressivo Mile Twelve e foi a ganhadora do Prêmio de Banjo Steve Martin em 2020. Catherine BB Bowness consegue integrar o que há de melhor de cada técnica do banjo, nos trazendo uma linguagem bastante habilidosa e contemporânea para um instrumento que está em constante desenvolvimento.

Em primeiro lugar eu gostaria de lhe agradecer pela gentileza ao concordar em fazer essa entrevista conosco. Fico feliz que tenha aceitado! 1. Vamos começar pelo começo. Você é de uma pequena cidade da Nova Zelândia, certo? O que despertou seu interesse pelo banjo e quais desafios você encontrou ao aprender esse instrumento tão longe da sua origem?

Conheci meu professor de banjo, Mark Warren, por uma feliz coincidência, enquanto pintava sua casa em Marton, Nova Zelândia. Eu tinha acabado de começar a ter aulas de violão quando ele tocou para mim uma música no banjo. Fiquei instantaneamente fisgada e tive aulas semanais durante os anos seguintes. A parte mais difícil foi não ter muitas pessoas com quem tocar, mas felizmente tive algumas grandes ajudas ao longo do caminho.

2. Bem, você é a primeira pessoa do seu país que toca banjo formada em uma universidade de jazz, estou certo? De que maneira você acha que aprender jazz ajudou na sua capacidade para tocar e improvisar banjo dentro do bluegrass e derivados?

Sim, e acredito que isso me ajudou a ter um conhecimento sólido do braço do banjo, teoria musical e também ajudou no treinamento de percepção auditiva... tudo isso é valioso para tocar bluegrass também! 3. Quando eu ouço você tocando, eu observo uma peculiaridade muito interessante na forma que você faz soar o banjo. Seu banjo parece soar de uma maneira tão educada e introspectiva, mas ao mesmo tempo com uma grande liberdade e entusiasmo que parece não ter barreiras. Eu não sei se você concordaria com o que eu acabei de dizer, mas se você pudesse falar um pouco mais sobre “a busca da própria sonoridade e identidade” no instrumento, seria muito legal!

Bem, muito obrigado! E sim, eu acho que como músicos, estamos sempre procurando por um som que gostamos. Normalmente, tentando aprender como as outras pessoas tocam e pegando as coisas que gostamos dos outros. Descobri que não importa o quanto eu tente soar como alguém que admiro, sempre vai sair um pouco como eu. E isso é porque meu conjunto de limitações como musicista é exclusivo para mim e também o que me atrai na música é exclusivamente o meu gosto. Então, eu diria, mantenha isso em mente quando estiver aprendendo a transcrever e imitar os outros, haverá uma parte do som que será sempre você.


4. Muitos banjoistas contemporâneos da atualidade buscam mixar diversos estilos de banjo (Scruggs, Single string, Melodic..) na sua forma de tocar e isso é algo que você parece incorporar com muita facilidade. Você acha que, em termos técnicos e de estilos de tocar, o banjo ainda tem muitos caminhos a serem descobertos? Como você enxerga o desenvolvimento da forma de tocar o instrumento como um todo? Sim, acho que haverá mais desenvolvimentos para estilos e técnicas do banjo. É tão animador ouvir músicos como Greg Liszt, Noam Pikelny, Adam Larrabee, Ben Krakauer, Wes Corbett (eu poderia continuar ...!), Todos eles com abordagens tão diferentes no banjo. Eu não posso esperar para ouvir novos desenvolvimentos na técnica, estilos de composição, etc. nos próximos anos. 5. Você faz parte da Mile Twelve, uma banda que toca um bluegrass progressivo de maneira muito coesa e virtuosa. Como se dá seu processo criativo ao compor para o banjo nos arranjos das músicas? É muito diferente de quando vocês tocam uma música mais tradicional?

O processo é diferente para músicas tradicionais versus músicas originais compostas para a banda. Nós realmente tentamos arranjar o mínimo que é possível para bluegrass e apenas fazemos o nosso melhor para tocá-lo bem, mas para os originais, é tudo sobre a história de determinada música. Algumas canções precisam apenas de arranjos simples e outras precisam de um pouco mais para pintar o quadro. Em geral, todos nós nos organizamos sugerindo ideias diferentes, experimentando-as, abandonando-as, tentando outra coisa até termos um primeiro rascunho. Então, tocar a música é uma ótima maneira de testar o arranjo. Para algumas músicas, nós as ajustamos várias vezes e outras tendem a soar bem imediatamente. 6. Eu conheci você através de um vídeo no youtube. Estava eu em mais uma tarde na frente do computador quando me enviaram um vídeo seu tocando o solo do Tony Rice no seu banjo. Bem, devo dizer que fiquei tão entusiasmado com aquilo que imediatamente peguei o meu banjo e tentei fazer o mesmo com o mesmo solo exatamente. Você costuma transcrever muitos solos de outros instrumentos? Como você acha que isso pode acrescentar no estudo do banjo? Aprender com outros instrumentos é uma ótima maneira de expandir sua imaginação sobre o que pode ser feito em seu instrumento. Sempre tenha em mente as coisas que realmente te fazem sentir bem e que você gosta, porque essas são as ideias que tendem a se fixar. Muitas vezes, eu transcrevo um solo de bandolim ou violino e talvez uma ou duas ideias do solo servem para mim e se tornam úteis. Independentemente disso, é muito divertido ver o que está disponível em outros instrumentos e o que pode funcionar para você.



7. Para finalizar, você poderia dar uma dica para os brasileiros que estão começando a aprender banjo?

Eu diria: arranje um amigo para tocar e praticar. Isso o mantém motivado a aprender música e a perseverar nos períodos em que você está um pouco menos inspirado. Aprender música é um projeto de longo prazo e, assim como aprender um idioma, é mais divertido se tem alguém com quem conversar!