• Vítor Silva Rios

Três dias de banjo... assim foi o I BANJO CAMP BRASIL!

Nos dias 14, 15 e 16 de Janeiro aconteceu algo inédito no Brasil! Foi realizado o I BANJO CAMP BRASIL, no ART BBQ em Campos do Jordão. O evento foi uma idealização do também banjoísta Wagner Creoruska, que se você ainda não conhece é o maior ícone fomentador e agregador da comunidade de banjo no nosso país.


Olá! Eu sou Gigito e estou aqui hoje para descrever um pouco como foi a experiência de passar três dias imerso no universo do banjo, no evento que foi o primeiro banjo camp realizado no Brasil! As conversas sobre um grande encontro de banjoístas já eram de certa forma comuns no nosso círculo, mas sempre ficavam na informalidade e acabavam por ali mesmo. Até que um dia recebi a mensagem de Wagner me falando sobre concretizar esse plano e me convidando para participar. É claro que disse sim, sem pensar duas vezes.

Não muito tempo depois já estava em São Paulo rumo a Campos do Jordão. O ART BBQ foi um ponto de encontro ideal, já que além de ser um belo restaurante com temática texana, é também uma pousada e tem amplos espaços internos e externos (perfeito para todas as atividades do camp). Além disso o dono do espaço, Luiz Rozette, é um verdadeiro amante do bluegrass e da música no geral. Tudo parecia casar muito bem com a ideia do evento e não foi diferente! A programação do camp se distribuiu basicamente entre workshops pela manhã, jams sessions no decorrer do dia e shows durante a tarde e a noite.


SEXTA FEIRA - O PRIMEIRO DIA


Ao longo do primeiro dia, vários banjoístas já foram chegando e se acomodando. Apesar do dia com mais presentes ter sido no sábado, na sexta o evento já foi brindado com uma bela jam. Foi muito legal de ver e conhecer pela primeira vez pessoalmente tantos banjoístas de tantos lugares diferentes do Brasil (São Paulo, Paraná, Pernambuco, eu mesmo da Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás... posso estar esquecendo mais algum lugar). E mais legal ainda foi ver a alegria e entusiasmo de todos os presentes!


Ainda na sexta tive o dever e desafio de abrir a noite de shows fazendo um set de músicas solo. Tentei abordar um repertório que abrangesse diversos contextos para o banjo que não fosse somente o bluegrass. Foi uma apresentação rápida que, entre músicas autorais e versões arranjadas para banjo, também contou com alguns convidados especiais como meu aluno Marcus Fiorin que tocou comigo Lonesome Road Blues e também o próprio Wagner e o contrabaixo do também incrível Ivan Valle em que tocamos Peaches and Cream, Little Rock Gateway e Shenadoah Breakdown. Logo depois o time de 'O Bardo e o Banjo' (Wagner/banjo, Marcus/fiddle, Ivan/ct.baixo e Rodrigo/mandolin) entrou em cena para agitar a noite com seu som rápido e poderoso. Inclusive a banda ficou de fechar todos os shows dos três dias, sempre agitando e causando admiração aos presentes.



SÁBADO - MUITOS BANJOS JUNTOS!



No sábado o dia se iniciou com um workshop ministrado por Wagner, Caio e eu. O tema discutido foi sobre as três técnicas base para o banjo, o 3 fingers style, single string e melodic style. Além disso foi aberta uma seção para tirar dúvidas e tocar juntos algumas músicas.

As jams sessions se mostram um momento muito interessante, aonde cada um toca da maneira que sabe fazer melhor de maneira espontânea e sem julgamentos, é o momento aonde a música se mostra mais democrática e capaz de reunir as pessoas. Pela tarde tivemos um show fantástico do Edu Skyliner, que junto ao seu time João Pedro (contrabaixo) e Sergio Janicki (fiddle), mostrou uma enorme responsabilidade e paixão pelo universo do bluegrass e da música americana. Não só um ótimo violonista, mas também um grande cantor, realizou um show que para nossa alegria parecia não ter fim e no final contou com participações que me incluíram no banjo, Wagner também no banjo, Marcus Zambello no bandolim e Luiz Rozette cantando. Foi uma tarde inesquecível. Já a noite tivemos a apresentação da Pilgrim Bluegrass, com Caio não só tocando banjo, mas também cantando músicas que não só englobam o universo bluegrass, mas também o universo cristão, de uma maneira muito bem feita que deixa qualquer admirador dos dois universos contente e pronto para curtir um bom show. E mais uma vez para fechar com um animação ainda maior que a noite anterior tivemos o show d'O Bardo e o Banjo. É interessante notar que apesar do evento ter uma programação definida, ele também ganhou vida própria e, em diversos desses momentos, era possível ver pequenas rodas de jams, banjoístas trocando experiências e ideias!


DOMINGO - MAIS WORKSHOP E A JAM DA DESPEDIDA


No último dia, no domingo, realizamos mais um workshop pela manhã em que abordamos temas que incluíram rotina de estudo, dificuldades e dicas. Considero esse momento muito importante, pois foi quando cada um falou sobre sua relação com o banjo e quais obstáculos tinham naquele momento, possibilitando uma compreensão maior do perfil, anseios e objetivos de cada um que forma essa comunidade do banjo no Brasil. Fizemos mais uma Jam de despedida e após mais um show d'O Bardo e o Banjo tínhamos ali o final de um evento que, além de inédito, foi histórico e um sucesso inspirador para todos que saíram dali estimulados e já cobrando quando seria o próximo!




Importante lembrar que os registros fotográficos que ilustraram esse relato foram feitos por Lucas Zachi, que também é banjoísta!

Vale ressaltar que também contamos com a presença de alguns washboarders que contribuíram percussivamente para as jams sessions!

Um outro ponto a ser destacado: tivemos uma única banjoísta presente, Natália Xavier! Apesar de termos mais algumas mulheres no banjo, Natália esteve lá para representá-las. Eu espero que nos próximos tenhamos mais representantes femininas, algo que considero importante valorizar e fomentar!